Folha de S.Paulo lança-se na campanha para a Presidência

Quando o governo adentrou o ano eleitoral de 1984, a sucessão de João Baptista Figueiredo (1979-1985) era ainda uma incógnita, já que o presidente hesitava posicionar-se em relação às propostas existentes. Não apoiou claramente Paulo Maluf nem Mario Andreazza (dois possíveis candidatos do partido governista, o PDS); aderiu para então se esquivar da proposta de estender seu mandato por mais alguns anos; e chegou até a declarar que aprovaria as Diretas se dependesse de seu voto. No dia seguinte, explicou: “Jamais passou pela minha cabeça fazer eleições diretas agora”.

Leia mais >>